jusbrasil.com.br
7 de Dezembro de 2021

Os prazos de 10 dias mais importantes no Novo CPC

Os prazos de 10 dias mais importantes no Novo CPC

Dando sequência à análise dos prazos no NCPC, hoje preparamos com exclusividade para você um quadro esquemático com os principais prazos de 10 (dez) dias do Novo Código. Como já se destacou, não se tem a pretensão de englobar todos os prazos, mas sim os que julgamos mais importantes no cotidiano dos operadores do Direito.

PRAZOS DE 10 DIAS IMPORTANTES NO NCPC

Art. 143, parágrafo único

Prazo para que o juiz aprecie o requerimento feito pela parte no sentido de que houve, sem justo motivo, recusa, omissão ou retardamento de providência que devia ser feita de ofício ou a requerimento, sob pena de responsabilização do magistrado, civil e regressivamente, por perdas e danos.


Art. 226, II

Prazo para que o juiz profira decisões interlocutórias.


Art. 235, § 2º

Prazo para que o juiz ou o relator representado ao corregedor do tribunal ou ao Conselho Nacional de Justiça pratique o ato requerido.


Art. 240, § 2º

Prazo para que o autor adote as providências necessárias para viabilizar a citação, sob pena de a prescrição não ser interrompida nem retroagir à data da propositura da demanda.


Art. 254

Prazo para que o escrivão ou o chefe de secretaria, após a efetivação da citação por hora certa, envie ao réu, interessado ou executado, carta, telegrama ou correspondência eletrônica para lhe dar ciência de tudo.


Art. 268

Prazo para devolução ao juízo de origem da carta precatória, carta de ordem ou carta arbitral cumprida, pagas as custas pela parte.


Art. 334, § 5º

Prazo mínimo de antecedência em relação à audiência de conciliação/sessão de mediação, para apresentação, pelo réu, de petição manifestando o seu desinteresse na resolução consensual do conflito.


Art. 477, § 4º

Prazo mínimo de antecedência em relação à audiência para que o perito ou o assistente técnico seja intimado por meio eletrônico.


Art. 539, § 1º

Prazo para manifestação de recusa pelo réu, cientificado por meio de carta com aviso de recebimento, acerca da consignação em pagamento de obrigação em dinheiro feita pelo autor em estabelecimento bancário.


Art. 545, caput

Prazo para que o autor da ação de consignação em pagamento complemente o depósito inicialmente feito em razão da alegação de insuficiência por parte do réu.


Art. 723, caput

Prazo para que o juiz decida o pedido formulado no bojo de procedimento de jurisdição voluntária.


Art. 828, § 1º

Prazo para que o exequente comunique ao juízo da execução as averbações feitas a partir de certidão comprovando a admissão da demanda executiva.


Art. 828, § 2º

Prazo para que o exequente, após a penhora de bens suficientes para cobrir o valor exequendo, providencie o cancelamento das averbações realizadas em relação a outros bens não penhorados.


Art. 830, § 1º

Prazo para que o Oficial de Justiça, após ter arrestado os bens do executado não encontrado, procure-o por duas vezes em dias distintos e, havendo suspeita de ocultação, realize a citação por hora certa.


Art. 847, caput

Prazo para que o executado, uma vez intimado da penhora, requeira a substituição do bem penhorado, desde que comprove que lhe será menos onerosa e não trará prejuízo ao exequente (necessário equilíbrio entre os princípios da menor onerosidade dos meios executivos e da máxima efetividade da execução).


Art. 857, § 1º

Prazo para que o exequente, após a penhora de direito do executado, declare a sua preferência pela alienação judicial, em vez da opção pela sub-rogação.


Art. 862, caput

Prazo para que o administrador-depositário nomeado pelo juiz apresente plano de administração quando a penhora recair em estabelecimento comercial, industrial ou agrícola, bem como em semoventes, plantações ou edifícios em construção.


Art. 870, parágrafo único

Prazo para que o avaliador entregue o laudo na execução.


Art. 903, § 2º

Prazo para que, após o aperfeiçoamento da arrematação, seja indicado eventual vício para apreciação pelo juiz.


Art. 903, § 5º

Prazo para que o arrematante prove, após a arrematação, a existência de ônus real ou gravame não mencionado no edital, podendo, nesse caso, desistir da arrematação.


Art. 940, caput

Prazo para que o relator ou outro juiz que não se sinta habilitado a proferir voto de imediato solicite vista dos autos do recurso interposto.


Art. 940, § 1º

Prazo máximo possível de prorrogação da vista dos autos do recurso solicitada por relator ou juiz.


Art. 943, § 2º

Prazo para que, lavrado o acórdão, a sua ementa seja publicada no órgão oficial.


Art. 973, caput

Prazo para que, na ação rescisória, concluída a instrução, autor e réu apresentem, sucessivamente, as suas razões finais.


Art. 989, § 1º

Prazo para que, no bojo dos autos da reclamação, a autoridade a quem for imputada a prática do ato impugnado preste informações.


Leia também:

- Conheça a tese da Revisão do Teto Cumulada com a Revisão do Buraco Negro e saiba como buscar a correção do benefício para seus clientes

- Conheça a tese da cobrança do saldo do PASEP dos servidores públicos e veja como ingressar com ação de cobrança para seus clientes

- Correção do FGTS - Como advogados devem proceder para buscar a correção do FGTS para seus clientes !

- Como entrar com pedido de restituição de cobrança indevida de ICMS na conta de luz para seus clientes !

15 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Bastante útil. Parabéns! Seria muito bom que os prazos que vinculam atos de magistrados e demais servidores do judiciário fossem realmente cumpridos. continuar lendo

Pois é Dr Ernandes Paulo Tavares.
Infelizmente as coisas não funionam como deveriam, por isso, apesar de as vezes, para algumas pessoas, parecer chato, devemos sempre reclamar do que não caminha como o esperado, proncipalmente no que diz respeito as leis e a parte legislativa e judiciária.
Gratos pelo comentário ! continuar lendo

Ótima compilação. é válido enfatizar que os prazos para os Juízes são impróprios, portanto podem ser dilatados por tempo indeterminado caso haja motivo plausível (no caso da Justiça brasileira é sempre o mesmo motivo, grande demanda processual). continuar lendo

Obrigado Dr Lucas Veloso !
Gratos pela contribuição. continuar lendo

Exelente !
Parabéns e obrigada ! continuar lendo

De nada DRa !
Ficamos felizes em ajudar ! continuar lendo

Muito oportuno. Aliás estas matérias são sempre muito boas. Leio quase todas. Fantástico. continuar lendo

Dra Gasparina Lucas, obrigado pelo comentário.
A nossa intenção é contribuir ! continuar lendo